Presidente da Abicalçados Heitor Klein prevê melhora da economia após o terceiro trimestre de 2016

Heitor Klein Presidente da Abicalcados

Presidente Executivo Abicalçados Heitor Klein comentou na tarde de segunda-feira (16.11.15) na Zero Grau 2015 – Feira de Calçados e Acessórios, que acontece em Gramado na serra gaúcha que a economia somente vai melhorar a partir do no terceiro trimestre de 2016. A previsão foi feita por Klein em entrevista à sortimentos.com.

CRISE E SOLIDEZ
Não é a primeira vez que temos uma situação difícil de crise com queda de demanda e diminuição do dinheiro Em situações anteriores as empresas fechavam e algumas sequer tinham condições de quitar suas dividas. Desta vez nenhuma situação desta se apresentou. Algumas empresas pequenas e atelies que fecharam. Isso mostra que o setor está ta solido, apesar das quedas de 10% em 2014 e 2015. Não há um movimento de fechamento de fabricas. As empresas estão diminuindo suas atividades linearmente. Estão transformando a operação menor e mais viável. É preciso achar um ponto de equilíbrio para o custo fixo ficar administrável.

DÓLAR I
O mercado internacional ainda não reagiu aos preços que os fabricantes oferecem. Com o dólar estável haverá um incremento nas exportações. Com um dólar tão flutuante, importador e o fabricante não conseguem projetar preço e planejar pedidos inviabilizando as negociações.

COMPONENTE POLITICO
É importante definir os rumos da política. Enquanto tiver o impasse de Eduardo Cunha, se fica ou sai e não for resolvido a questão Dilma, a economia ficará nervosa. Aposto na. saída de Cunha e permanência da presidente Dilma. Resolvido isso, o mercado deve retornar a normalidade

DÓLAR II
Com o cenário previsível o dólar deve se estabilizar. Se o patamar ficar em 3,60, dará ao produtor brasileiro uma boa condição de negociação com o mercado internacional de calçados. Mas é importante que a estrutura de custo da empresa e da economia se mantenham.

FEIRA
As participações nas feira são importantes para o fabricante avaliar o conceito utilizado na coleção. Uma oportunidade para medir a aceitação do produto. Através deste contato é possível ajustar a produção de acordo com a aceitação

PONTOS CRÍTICOS
Os maiores pontos críticos do setor calçadista são a captação e qualificação de mão de obra e a logística, com enfase nas estradas e segurança. Também integram os fatores : a escassez, custo alto e inflexibilidade.